Cateter Venoso Central na clínica de equinos

Grandes volumes intravenosos em curtos períodos de tempo são desafios para as clínicas de equinos

cateter-venoso-central-fluidoterapia-clinica-de-equinos-img01

A fluidoterapia é uma prática comum no tratamento de suporte na medicina veterinária e tem, como principais objetivos, reestabelecer e manter a volemia, corrigir desequilíbrios hídricos e eletrolíticos. Além da suplementação calórica e nutricional (Dibartola e Batemann, 2011).

Neste procedimento, realizado pelo professor de cirurgia Geraldo Heleno Alves, no Hospital Veterinário da UFMG, o Cateter Venoso Central duplo lúmen foi implantado na veia jugular do animal para realização de fluidoterapia, tratamento e monitoramento.

Animais de grande porte necessitam de grandes volumes de infusão em casos de reposição volêmica rápida, como no estado de choque hipovolêmico. A taxa de reposição nesses casos pode ultrapassar 100 ml/kg/hora (Nolen-Walston, 2012).  A capacidade de fornecer grandes volumes intravenosos, em um curto período de tempo, é um desafio na clínica de equinos.

O risco da tromboflebite

Os sistemas comumente usados não proporcionam o fluxo necessário para administração de grandes volumes de fluido em curtos períodos (Nolen-Walston, 2012). Desta forma, para seguir o plano fluidoterapêutico adequado, o clínico se vê obrigado a utilizar a jugular oposta, ou outro acesso venoso como auxiliar. Apesar de eficaz para maior taxa de administração de fluido, o acesso venoso concomitante das jugulares direita e esquerda pode levar a tromboflebite bilateral e suas consequências, como a diminuição do retorno venoso da cabeça e progressão para tromboflebite séptica.

Dentre os fatores que afetam a velocidade do fluxo da solução a ser administrada durante a fluidoterapia intravenosa, destacam-se a resistência intrínseca do circuito do sistema e a pressão de infusão. Fazem parte da tubulação: o cateter, a extensão e o equipo de infusão. O diâmetro e comprimento do cateter tem grande influência na velocidade do fluxo. A pressão de infusão pode ser influenciada pela gravidade, utilização de bolsas pressóricas e/ou bombas de infusão e resistência da circulação venosa (Philip, 1989).

Tipos de cateter venoso central

cateter-venoso-central-fluidoterapia-clinica-de-equinos-img02

O tipo de solução, o volume administrado, a velocidade de infusão, a via de administração e a presença de distúrbios hidroeletrolíticos, devem ser levados em consideração para maior eficácia dessa terapia (Alves et al., 2013).

Cateteres de diversos modelos estão disponíveis no mercado. Dentre eles destaca-se o cateter venoso central. Ele possui tecnologia avançada, acesso mais seguro para infusão de grandes volumes, presença de diversas vias, além de ser confeccionado com materiais biocompatíveis. O conhecimento dos tipos de cateteres venosos centrais disponíveis e suas respectivas taxas de infusão são de extrema importância para melhor adequação dos sistemas de administração volêmica rápida em equinos. Levando-se em consideração que a escolha do tamanho do cateter a ser utilizado depende do tamanho do animal, deve-se ressaltar a importância de selecionar o cateter não somente pela compatibilidade com o vaso, mas também pela taxa de vazão do dispositivo para atender o volume desejado.

A Vet Medical oferece o cateter venoso central em todos os tamanhos. Conheça o nosso catálogo de produtos on-line e faça um orçamento.

Postagens Recomendadas
Comentários
pingbacks / trackbacks
Fale com a gente

Olá! Deixe a sua mensagem que enviaremos uma resposta brevemente.

Não pode ser lido? Mude o texto. captcha txt
0

Comece a digitar e pressione Enter para pesquisar

acesso-nutricional-por-sonda-bem-estar-animal-terapia-intensiva